Home ] Animals Poems ] Forest Poems ] Earth Cosmos ] Pollution Poems1 ] Peace Poems ] Nature ] Climate ] Other ] Ecopoetry ] Manifesto IT ] [ Manifesto Portoghese ] Manifesto EN ] BOOKS ] Biographies ] Topics ] Links ] Forum ] EXPO 2015 ]

Home
Animals Poems
Forest Poems
Earth Cosmos
Pollution Poems1
Peace Poems
Nature
Climate
Other
Ecopoetry
Manifesto IT
Manifesto Portoghese
Manifesto EN
BOOKS
Biographies
Topics
Links
Forum
EXPO 2015

 

Nell'agosto 2012 ho presentato al Congresso  Internazionale  di Letteratura ed Ecocritica all'Università di Paraiba (Brasile) il Manifesto di Ecopoesia Italiano (2003). In quell'occasione il Manifesto è stato tradotto in Portoghese dalla dott.ssa Herica Paiva Pereira.

 

MANIFESTO  DI  ECOPOESIA ITALIANA (2005)

 

Definição

A Ecopoesia é um novo gênero literário que se inspira nas atuais emergências ambientais. Ela também tem a função de “dar voz” aos viventes que não têm voz e de testemunhar os seus direitos.

A Ecopoesia faz parte do vasto universo da Poesia e não se põe na posição de superioridade em relação às demais tradicionais expressões poéticas. É simplesmente diferente e não alternativa.

 

Premissa

Após as confusas e heterogêneas experiências artísticas pós modernas da segunda metade do século XX, começam a delinear-se algumas novas tendências que têm suas origens:

Ø  Na velocidade e na facilidade da comunicação

Ø  Nos processos de globalização e também culturais.

Ø  Na sempre mais dramática crítica ambiental do nosso planeta

Nesse contexto, alguns artistas italianos sentiram a necessidade de externar, através de um manifesto, as linhas de base para a construção da poesia, ou seja, encontrar a forma de expressar-se através da arte.

Esta escolha é o resultado de algumas considerações:

Ø  As atuais e sobreabundantes tempestades mediáticas de notícias tiveram como consequência uma relação defensiva com a intenção de separar das emoções as informações e imagens dos fatos.

Ø  Criou-se um conflito entre o pensamento racional que busca compreender os acontecimentos e a grande quantidade de emoções sufocadas que são retomadas.

Ø  A dependência às representações virtuais preencheu a mente de milhares de homens transformando-lhes em pessoas passiveis espectadores dos fatos.

Ø  A passividade gerou, principalmente nos jovens, uma debilidade em relação aos ideais e aos valores, tirando-lhes o entusiasmo necessário para enfrentar os problemas do nosso tempo.

Após estas considerações, alguns artistas decidiram tentar dedicar-se a um tipo de poesia que os liberasse das emoções escondidas e lhes permitisse realizar os objetivos recomendados pelos novos valores.

 

Novos valores

A crítica situação do nosso planeta, no século XXI, nos obriga a salvar o ambiente  como valor indiscutível.

Com a queda da ideia de uma natureza como  reserva que não se acaba, entra também em crise a visão antropocêntrica e vertical do homem como patrão sem limites desta reserva.

                A nova visão da terra, sugerida pelas fascinantes imagens que se originam do espaço nos fazem conscientes do nosso pequeno papel no universo e da nossa, não privilegiada, presença sobre a terra. Nessa perspectiva, o homem se torna consciente do seu papel como ator de destruição ou de proteção dessa casa comum e das suas responsabilidades em relação ao frágil planeta.

                A partir da tomada de consciência da responsabilidade, surge uma nova ética de relações; não mais exclusiva entre os homens, mas sim, entre o homem e a natureza. Esta nova filosofia nos faz entrar naquela nova cultura que, depois da destruição pós moderna das ideologias, busca novos valores e objetivos, sem engaiolar as duras estruturas hierárquicas ou ideologias.

 

Papel da Ecopoesia neste cenário

                Cada gênero da poesia sabe criar emoções, tocando o mais íntimo ou esquecido, surpreendendo com as associações de sons ou de imagens imprevistas. Ele nos faz meditar com a metáfora; acolhe a essência escondida das coisas e das nossas experiências, utilizando a potência destas sugestões. A ecopoesia se transforma em uma comunicadora de emoções que acorda a consciência para escutar os problemas dos nossos dias.

                Este tipo de poesia envolve contemporaneamente razão e sentimentos, superando o preconceito do pensamento bipolar do século XX que se fixava uma decisiva separação entre a razão e a criação artística.

                Na Ecopoesia, ao lado da tradicional emoção de comunicação poética, surge o momento racional da tomada de consciência da crítica ambiental e da necessidade de remediar. A Ecopoesia é, portanto, multidimensional porque desfaz a divisão destas duas dimensões expressivas e, é mais próxima ao modo de pensar e de sentir de hoje.

                As ciências ambientalistas sabem detalhadamente analisar os atuais problemas ecológicos, mas isso não quer dizer que sozinhas consigam resolvê-los. No entanto, a linguagem poética que é tão diversa e nova, pode obter respostas mais eficazes ao abrir a consciência e  preparar para a escuta dos problemas do século XXI que:

Ø  A salvação do nosso planeta e uma nova relação com todos os seres viventes (Ecopoetry)

Ø  O testemunho dos direitos fundamentais do homem e a pacífica convivência entre os povos, ( Art & Peace)

Ø  Uma nova e diversa introspecção do próprio eu (Ecopsicologia, etc.)

 

Esta necessidade de uma poesia nova foi colhida em diversas partes do mundo. Nasceram assim novos movimentos poéticos que associaram a Poesia às atuais instâncias éticas como é o caso da Art and Peace,  Eco Art, e também da l'Ecopoetry.

 

Mas, quem é o ecopoeta? 

O ecopoeta não é o poeta que canta a natureza, mas sim, aquele que fala com a natureza. Dá voz à natureza. Testemunha os direitos daqueles viventes que não têm direitos. É aquele que se sente numa estreita comunicação com a criação e nos traz emoções que veem de dentro: os animais torturados, as árvores cortadas, a terra inteira poluída fala diretamente através de seus versos. Enfim, o ecopoeta fala para aquela casa comum, única, que deve ser salva pela sua peculiaridade e beleza.

Protegeremos a natureza se aprendermos a amá-la; se aprendermos a sentir-nos uma coisa só com ela. E é isso o que a Ecopoesia quer fazer: transmitir este desejo de proteção. Ao ajudar-nos a sentirmos animais, árvores, florestas... A viver a dor deles como se fosse nossa; a ver a beleza de uma paisagem que deve ser salva. Enfim, entendemos que o destino da terra é também o nosso destino.

O ecopoeta é portanto, o comunicador entre a comunidade humana e o mundo natural. É aquele que ao invés de torturar-se sobre o próprio eu ou na sua relação com os demais, se lança na paz da unidade da criação, abrindo-se ao mundo, aos demais seres vivente e se une a eles como sendo uma coisa só.

 

A linguagem

A Ecopoesia não é uma poesia comemorativa, enfática, que se coloca sobre um palco para indicar o caminho a seguir, mas é a poesia empática de quem se sente interligado com a natureza desde o seu interior. É portanto, uma poesia simples, humilde como são os sujeitos oprimidos que falam através dela.

 

A comunicação

Existe também, uma característica específica da Ecopoesia neste campo. No tempo da comunicação global, também a poesia deve saber comunicar globalmente. Deve ser acessível a todos; deve ser aberta às diferentes realidades culturais do mundo e saber conviver e difundir os valores do seu tempo.

A ecopoesia nos liberta do isolamento das culturas literárias eruditas; das velhas modas misteriosas da vanguarda e das tradições poéticas locais, e utiliza uma comunicação poética simples e clara, compreensível a todas as culturas, por isso é também fácil de traduzi-las. Tudo isso, para difundir-se entre um público sempre mais  vasto  a pedido da UNESCO na mensagem da Jornada Mundial da Poesia.

Esta nova poesia é também chamada, por alguns, como “Pós moderna”, porque acolhe algumas tendências da correntes pós modernas. Neste Manifesto, ao invés, é chamada simplesmente como “ECOPOESIA”.

Estas reflexões são estendidas a qualquer forma de arte que há no seu centro a natureza e o ambiente. No Manifesto, este tipo de Arte é definida como “ECOART”.

 

 

Primeiros  assinantes:

M. Ivana Trevisani Bach  Albisola (Sv)

Salvatore Infantino  Palazzolo (Siracusa)

Luciano Somma (Napoli)

M. Luisa Gravina (Genova)

Luciana Bertorelli (Savona)

  

A este Manifesto aderiu o Movimento Artistico "Irrealismo" que propõe "revalorizar a Natureza com a Arte” e a “Arte para a Natureza". 

   Home ] Animals Poems ] Forest Poems ] Earth Cosmos ] Pollution Poems1 ] Peace Poems ] Nature ] Climate ] Other ] Ecopoetry ] Manifesto IT ] [ Manifesto Portoghese ] Manifesto EN ] BOOKS ] Biographies ] Topics ] Links ] Forum ] EXPO 2015 ]